quarta-feira, 7 de outubro de 2009

>>Tenho amigos que não sabem>>
O quanto são meus amigos.
>>Não percebem o amor que lhes devoto
>>E a absoluta necessidade que tenho deles.
>>A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor.
>>Eis que permite que o objecto dela>>Se dívida em outros afectos,
>>Enquanto o amor tem intrínseco o ciúme,
>>Que não admite rivalidade.
>>E eu poderia suportar, embora não sem dor,
>>Que tivessem morrido todos os meus amores,
>>Mas enlouquecia se morressem todos os meus amigos!
>>Até mesmo aqueles que não percebem
>>O quanto são meu amigos e o quanto minha vida
>>Depende de suas existências…
>>A alguns deles não procuro,
>>Basta-me saber que eles existem.
>>Esta mera condição me encoraja
>>A seguir em frente pela vida.
>>Mas, porque não os procuro com assiduidade,
>>Não posso lhes dizer o quanto gosto deles.
>>Eles não iriam acreditar.
>>Muitos deles estão lendo esta crónica
>>E não sabem que estão incluídos

(…)

>>>>Por ser absoluta verdade, para todos vocês, com amizade!

assinado: Andreia

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

regreaao as aulas

Bem ninas as aulas vão começar e o trabalho vai apertar! lol
Vá vamos ser as melhores animadoras da Esa!

Temos que colocar a nossa conversa em dia!

Beijinho grande

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

ola.......

ola ninas...

faltao apenas 4 dias para volta-mos as aulas. vai ser fixe por um lado porque vamos voltar a estar todas juntas agora por outro nao agora que estava a gostar das férias é que elas vao acabar...voltar outra vez as aulas professores novos... vai ser o ultimo ano por isso vamos ter de dar o nosso melhor....

espero que as vossas férias tenham sido boas..


bjnhs para todas........

ass. lídia

domingo, 16 de agosto de 2009

É verão *.*

Ola lindas!


Já tenho saudaditas vossas! lol

já falta pouco para as aulitas começarem... :)

Espero que estejam bem e que as férias estejam a correm a 100%!

As minhas estão a ser muito fixes.. é muito trabalho, rio, praia, jogar futebol, noite.. enfim sempre a rolar...

Bem tenho uma cena para vos contar... ah uma tradição aqui em Alvarenga muito fixe, isto é, baptizarem os jovens com vinho:) este verão tocou-me a mim:), mas eu depois conto-vos melhor para vocês se rirem! XD

O meu baptismo :)

Beijos para todas com muitas saudades

sexta-feira, 17 de julho de 2009

oi meninas

Espero que as vossas ferias estejam a correr bem..
As minhas estão correr bem.......apesar das saudades de que sinto de vocês... pois vocês ao melhor turma que já tive ..
Concordo contigo Marisa ..... o próximo ano vai ser o ultimo por isso temos que aproveitar ao máximo..
desejo uma continuação de umas boas ferias e que se divirtam muito.......:)
bjs keridose fofos
adoro-vos a todas
Ass:Mariana silva

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Meninas lindas

olá meninas...

Tudo bem?

Como estão a correr as férias?

Eu espero que estejam a descansar, porque no próximo ano lectivo estamos com um cargo muito grande em cima de nós! :) "Animadoras finalistas"

Bem não sei se todas sabem, mas eu estou a trabalhar no Museu de Arte Sacra de Arouca.

Ide dando noticias.

Beijinho para todas!


quinta-feira, 9 de julho de 2009

olá ninas........

Hoje é o meu último dia aqui depois bem férias que bem preciso como voces todas....
Vão ser dois meses longe se voces, não digo que vasi ser facil porque vou ter saudades de voces todas, das voces brincadeiras, das palhacadas. Como a Marisa disse do riso daMariana e a Sara. Bem vou ter saudades de tudo e de todas voces. Meninas desejovos umas boas férias..... que se divirtam muito...........


beijinhos para todas.... adoro-vos a todas mesmo longe de voces eu não me vou esqueser e vou dando noticias e voces facam o mesmo...

ass: lidita

segunda-feira, 22 de junho de 2009

oi marisa

olha se sou refilona é porque voces me provocam.... e sabem perfeitamente que eu fervo em pouca água.... mas agora falando em saudades tenho de concordar contigo, ja sinto saudades das aulas.


Assinado A REFILONA ANDREIA

domingo, 14 de junho de 2009

Olá meninas

Oh ninas então como está a correr o vosso estágio?
Bem ultimamente não tenho escrito nada, porque tenho estado ocupada com o estágio...
Olhem o meu está a ser altamente, estou com pessoas espectaculares mesmo... espero que vocês tenham tido a mesma sorte.
Já tenho saudades vossas... saudades das palhaçadas da Milu e da Diana... saudades do riso da Mariana e da Sara... saudades de me "pegar" com a Mónica... saudades da refilona da Andreia... saudades das cocegas da Lídia... saudades do "mau humor" da Carina... saudades de mandar vir com a Sara, fazer-lhe ver certas situações... saudades das risotas das aulas de Ed. Física prof. Zé Leite... saudades das horas livres... saudades das músicas da prof. Fátima... saudades das aulas de matemática prof. Teresa... saudades das aulas de inglês prof. Manuela Varum... saudades dos ensaios de teatro com a prof. Márcia... saudades dos poemas da prof. Dilma... saudades dos "sermões" do prof. Paulo... saudades das aulas de música com a prof. Susana... saudades das aulas de português prof. Fátima... saudades da aula do "valor primordial" prof. Diana, saudades da palavra "social" prof. Cristina, saudades das maluquices da prof. Manuela Guedes... saudades das actividades a ultima da hora... bem são tantas saudades que vocês não imaginam.... este ano irá ficar marcado no coração <3, class="blsp-spelling-corrected" id="SPELLING_ERROR_15">pois tenho lugar para todos acontecimentos....

Beijão
Marisa

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Olá meninas :)

Então como está a correr o vosso estágio?
Espero que esteja a correr bem a todas, o meu está a ser bom.
Na segunda feira quero que me contem como está a ser.
Bjx e um bom dia.

segunda-feira, 1 de junho de 2009

oi ninas.....

olá a todas.....

Como todas nós sabemos que amanha entramos em estágio. Por isso espero e desejo-vos um óptimo estágio. Que tudo vos corra pelo melhor e vão dando noticias as que ficam longe.

também vos queria dizer que vos AMO MUITO.....

BEIJINHOS.....


Assinado por: Andreia Almeida.

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Até que ponto se pode afirmar que a Decisão comporta Riscos?

Em que sentido se pode afirmar que a Decisão comporta Riscos?


Este tema, em que sentido se pode afirmar que a Decisão comporta Riscos, engloba dois grandes tópicos sendo eles a Liberdade e a Libertinagem. Estes dois tópicos não querem dizer o mesmo embora por vezes nos pareça, são bastante distintos um do outro, é certo que ambos falam de liberdade mas uma liberdade um pouco distinta. Para sabermos do que falam eles realmente vou então referi-los.


Liberdade
A condição de uma pessoa não ser sujeita ao domínio de outra, ter poder sobre si mesmo e poder sobre os seus actos, pode ser um conceito puro de liberdade. Isto seria muito pouco para definir liberdade, este conceito é muito mais amplo. Liberdade tem, ainda, outras vertentes, podendo estas ser de ordem filosófica, psicológica, política, económica, social, etc.
Do ponto de vista legal, uma pessoa é livre quando a sociedade não lhe impõe nenhum limite injusto, desnecessário ou absurdo.
Uma sociedade livre deve ser aquela que dá condições aos seus membros para que desfrutem sem outras condicionantes da mesma liberdade. O desejo de liberdade é um sentimento que existe no ser humano e que lhe confere direitos, como poder escolher a profissão, o casamento, as orientações políticas, sexuais e outras. A liberdade manifesta-se, também, na consciência da pessoa quando esta tem que tomar decisões importantes, nas quais a pessoa sente que pode estar a comprometer a sua vida. Existem pessoas que estão submetidas a situações extremas de privação de liberdade, vendo-se impedidas de preservar a sua integridade e dignidade. Seria convincente classificar a liberdade em três grandes complexos:
· A Liberdade como forma de vida do Estado e do indivíduo no Estado e na sociedade;
· A Liberdade como pressuposto de toda a acção;
· A Liberdade da acção humana.
A liberdade não pode consistir em fazer o que se quer, mas em
poder fazer o que se deve querer. Se um cidadão fosse livre para fazer o que as leis proíbem, já não teria liberdade, porque os outros teriam também esse poder.

Montesquieu
“…a liberdade consiste em fazer tudo o que não prejudique a outrem – assim, o exercício dos direitos naturais de cada homem não tem por limites, senão aqueles que asseguram aos outros membros da sociedade o gozo destes mesmos direitos. Tais limites não podem ser determinados senão pela lei.”

Constituição Francesa, 1791
“…a liberdade de cada um termina onde começa a liberdade do seu semelhante” (…)
“…o que o homem perde pelo contrato social é a sua liberdade natural, e o que adquire é a liberdade civil. Distingue-se a primeira que não reconhece limites outros além da força dos indivíduos, da segunda, que está protegida e limitada pela vontade geral.”


Rousseau
“…a liberdade não consiste apenas no direito, mas no poder de ser livre”.

Luiz Blanc
“…a liberdade consiste em se poder fazer ou deixar de fazer tudo o que, praticado ou deixado de ser praticado não desagregue a sociedade nem lhe impeça os movimentos.”

Stuart Mill
“Se uma sociedade livre não puder ajudar os muitos que são pobres, acabará não podendo salvar os poucos que são ricos.”

Liberdade em filosofia
Designa de uma maneira negativa, a ausência de submissão, de servidão e de determinação, isto é, ela qualifica a independência do ser humano. De maneira positiva, liberdade é a autonomia e a espontaneidade de um sujeito racional. Isto é, ela qualifica e constitui a condição dos comportamentos humanos voluntários.
Não se trata de um conceito abstracto. É necessário observar que filósofos como Sartre e Schopenhauer buscam, em seus escritos, atribuir esta qualidade ao ser humano livre. Não se trata de uma separação entre a liberdade e o homem, mas sim de uma sinergia entre ambos para a auto-afirmação do Ego e sua existência. E na equação entre Liberdade e Vontade, observa-se que o querer ser livre torna-se a força-motriz e, paradoxicamente, o instrumento para a liberação do homem.

Regras da Liberdade
· Obedecer a normas;
· Não passarmos por cima de tudo e todos só porque achamos que somos livres e o podemos fazer;
· Entre outros…


Llibertinagem

É o uso da liberdade sem o bom senso, acabando por transformá-la em um veículo para prejudicar a si próprio ou aos outros. Quando o uso da liberdade passa a ser libertinagem é assunto de discussão para mil anos, já que o limíte não é bem definido, e cada pessoa tem um conceito diferente sobre isso (para algumas pessoas, você poder decidir passar cada noite com uma pessoa diferente é uma característica da liberdade, para outras é libertinagem, e assim por diante).



A distinção entre Liberdade e Libertinagem

Liberdade: Acto de uma pessoa poder dispor de si, fazendo ou deixando de fazer por seu livre arbítrio (resolução dependente apenas da vontade) qualquer coisa; gozo dos direitos do homem livre; independência; autonomia; permissão;
Libertinagem: Devassidão;
vida de libertino; os libertinos (ímpios).

Um breve resumo
A liberdade é termos consciência dos actos, dos nossos erros, das nossas virtudes. É pensarmos em nós e no próximo, em quem nos rodeia. Como por exemplo: casarmos ou não, isso é sermos verdadeiramente livres.
A libertinagem é fazermos tudo o que queremos, não estamos sujeitos a obrigações, mas tudo isso está errado, porque as pessoas que são assim não têm responsabilidades, logo é aí que entra o grande titulo deste trabalho, quer isto dizer que a Decisão pode comportar Riscos, porque uma decisão errada pode ter riscos para toda a vida.

Até que ponto uma Decisão pode comportar Riscos e porquê?
Sim, uma decisção pode comportar riscos, como já referi no texto acima tomarmos uma decisão errada pode ter riscos para toda a vida. Se tumarmos uma decisão de cabeça quente seja ela muito importante ou não, normalmente não corre bem, ora o que se tem de fazer? Pensarmos bem do que se trata, se vale a pena tumarmos essa decisão ou não, ou seja, devemos pensar sempre se e que problemas essa decisão nos poderá trazer no futuro.

Exemplos:
· Casar ou não?
· Que curso vou tirar?
· Devo ou não montar o meu negocio, a minha epresa? (será que da lucro, sera que não…)
· Não sei se devo ter filhos, sera que tenho tempo para eles, secalhar não tenho, há mas secalhar depois até vou ter…

Estes são alguns exemplos existem muitos mais e talvez até com riscos mais elevados devido a decisão que foi tumada. Mas falando destes exemplos, aqui estão decisões muito importantes na nossa vida, ora se tumarmos a decisão errada falando destes exemplos iremos concerteza ter riscos para durante a nossa a vida.


Em suma fazendo uma breve análize deste trabalho, posso dizer que a Liberdade é sem duvida muito diferente da Libertinagem, e que de facto a Decisão comporta Riscos na nossa vida.
Este trabalho foi feito no ambito da disciplina de Área de Integração, do módulo 4.
Ass: Carina

quinta-feira, 28 de maio de 2009

liberdade

Escola Secundária de Arouca
Curso Profissional de Animador Sociocultural
Professora: Diana Tavares
Disciplina: Área de Integração
Trabalho realizado por Mariana Silva nº6 11ºH


Como se coloca Sartre face á questão do determinismo \
Liberdade?

O ponto de partida para o existencialismo é” se deus não existisse tudo seria permitido”.
Com efeito tudo é permitido se deus não existe e por consequência o homem está desamparado porque não encontra uma possibilidade a que se agarrar.
No homem, a existência precede a existência. Isto quer dizer que o homem não é uma coisa, mas sim uma realidade livre. A existência humana difere radicalmente da dos objectos fabricados. Vejamos um exemplo: uma caneta existe, mas antes de existir foi pensada, imaginada e desenhada por alguém.
O homem pelo contrário, existe antes de ser isto ou aquilo. Ou seja, antes de se definir, de formar a sua existência.Nao há nenhuma ideia que possa se fazer de um homem antes de ele existir ou agir.
Sartre liga a negação de uma essência previa do homem (não há natureza humana, não há destino previamente traçado) á negação de deus (não há deus para definir o homem ).A liberdade humana exige a negação da existência de deus. Ver a existência como liberdade é correlativo de uma tese ateísta. Sartre nega que deus é o criador a assimilado um artesão superior.
O ateísmo desempenha papel importante como pedra angular do humanismo existencialista de Sartre. "Se não existe, não encontramos diante de nós valores ou imposições que nos legitimem o comportamento. Se, entretanto não há uma moral ou valores apriorísticos porque "não há consciência divina infinita e perfeita para pensá-los, e estamos sós, sem justificativas para os nosso actos, porque, sinais" (15) que o balizem existencialmente e orientem. Estamos condenados a ser livres. Daí concluir Sartre que "o homem está condenado a cada instante a inventar o próprio homem". (16)
homem se sente esmagar sob o da responsabilidade de uma escolha feita sob condições de luto desamparo e abandono, o que o leva ao desespero.
"Se suprimi o Deus Pai, é bem necessário que alguém invente os valores", diz Sartre. E inventar os valores significa para ele dar à vida, que não tem sentido "a prioridade clássico, que torna o homem como fim e valor superior pelo seu humanismo existencialista, em cada um se escolhe livremente sem se referir a valores. Esta escolha, porém, não é gratuita, pois a escolha moral para ele se assemelhe à constatação de uma obra de arte, a qual não se inspira em regras estabelecidas "á prioridade".
O projecto humano traz portanto a marca essencial da liberdade, pois o homem se faz escolhendo a sua moral. Esta escolha define um tipo de projecto que é válido para todos os homens e épocas, eu devo agir segundo o axioma da moral kantiana, que eleva os meus actos à condição de paradigma de acção para toda a humanidade.
A liberdade moral da escolha rejeita qualquer ideia de determinismo, pois não existe uma natureza interior ao homem nem valores fora dele para preestabelecer rumos necessários à acção. Assim, ninguém nasce covarde ou herói, diz Sartre, mas cada um se faz conforme sua livre opção, tornando-se responsável pelo que é. Esta liberdade e responsabilidade moral de opção caracteriza o que Sartre chama de "dureza optimista", a qual repugna aos que se refugiam na "má fé" de um pseudo-determinismo, dissimulando a autenticidade do livre compromisso.

Temos de partir do código subjectividade, diz Sartre, por ser ele o único meio de atingirmos a verdade e salvar o homem como sujeito, evitando torná-lo objectivo.
Pelo "cogito", atingimo-nos a nós próprios e aos outros que se nos apresentam como condição de nossa existência, "como uma liberdade posta em face de mim. Descobrimos o mundo da intersubjectividade.
Não temos com os "outros" uma comunidade de natureza humana, uma essencial universal, mas temos uma "universalidade de condição", que se define pelos limites "a prioridade caracterizam a nossa situação fundamental no universo: e todo projecto humano, sem prejuízo de sua individualidade, tem um valor universal porque persegue objectivos relacionados com a superação ou eliminação desses limites.
Daí por que, escolhendo-me, eu construo o universal e realizo o absoluto, através de um projecto universalmente válido porque inteligível a todos os homens.

domingo, 24 de maio de 2009

"Como é que Espinosa defende que a lierdade é uma ilusão?"



Escola Secundária de Arouca

Curso Profissional de Animador Sociocultural

Disciplina: Área de Integração
Ano: 11º

Turma: H

Módulo: 5
Tema: Os fins e os meios: que Ética para a vida humana

“ Como é que Espinosa defende que a liberdade é uma ilusão? ”






Bento de Espinosa

Biografia:
Nascimento - 24 de Novembro de 1632 em Amesterdão;
Falecimento - 21 de Fevereiro de 1677 no Haia, com quarenta e quatro anos;
Nacionalidade - Neerlandês;
Ocupação - Artesão, teólogo, filósofo;
Escola/tradição - Spinozismo (fundador),Racionalismo, Eudemonismo, Cartesianismo;
Principais interesses - Ética, Metafísica, Teoria do Conhecimento, Teologia, Lógica.

Bento de Espinosa foi um dos grandes racionalistas do século XVII dentro da chamada Filosofia Moderna, juntamente com René Descartes e Gottfried Leibniz. Também se dedicou ao estudo de Sócrates, Platão, Aristóteles, Demócrito, Epicuro, Lucrécio e também de Giordano Bruno. Ganhou a fama pelas suas posições do panteísmo (Deus, natureza naturante) e do monismo neutro, e ainda devido ao facto da sua ética ter sido escrita sob a forma de postulado e definições, como se fosse um tratado de geometria.


Livros


Publicados em vida :
- Melhoramento do Intelectual;
- Princípios da Filosofia Cartesiana;
- Tratado sobre a Religião e o Estado;
- Um breve Tratado sobre Deus e o Homem;

Publicados “post mortem“ :
- Ética demonstrada à maneira dos geómetras;
- Tratados Políticos ;
- Tratado do Arco-íris;

Conteúdo filosófico:
Espinosa defendeu que Deus e Natureza eram dois nomes para a mesma realidade, a saber, a única substância em que consiste o universo e do qual todas as entidades menores constituem modalidades ou modificações.

Ele afirmou que Deus era um ser de infinitos atributos, entre os quais a extensão e o pensamento eram apenas conhecidos por nós. Espinosa propunha uma espécie de determinismo, segundo o qual absolutamente tudo o que acontece ocorre através da operação da necessidade. Para ele, até mesmo o comportamento humano seria totalmente determinado.


Para Espinosa a liberdade é?
A capacidade de saber como somos e compreender por que agimos como agimos.
Deste modo, a liberdade para Espinosa não é a possibilidade de dizer "não" àquilo que nos acontece, mas sim a possibilidade de dizer "sim" e compreender completamente por que as coisas acontecem de determinada maneira.

Por exemplo:
Uma pedra, recebe de uma pessoa que a atira um impulso que é provocado pela pessoa, e mesmo depois de acabar o impulso provocado, a pedra continuará a mover-se. Então, Espinosa diz que a pedra, enquanto se move, sabe e pensa que faz todo o esforço possível para continuar a mover-se, assim a pedra pensa que é livre e faz todo o esforço possível para se movimentar.

Assim é a liberdade humana, os homens gabam-se de possuir toda a liberdade, mas isso acontece unicamente pelo facto de os homens terem consciência dos seus desejos e ignorarem as causas que os determinam.



Panteísmo deriva das palavras gregas pan ("tudo") e teísmo ("crença em deus"). Em diversas culturas panteístas, é a ideia de um Deus que vive em tudo complementa e coexiste pacificamente com o conceito de múltiplos deuses associados com os diversos elementos da natureza.

Um postulado é uma sentença ou proposição não demonstrada cuja verdade, ainda que não tenha evidência, servindo como ponto de partida para a dedução ou inferência de outras proposições. Um exemplo clássico de conjunto de postulados tomados como base para uma teoria é constituído pelos postulados de Euclides, que fundamentam a geometria euclidiana.

Webgrafia:


Sait:
www.google.com

Livro:
De filosofia 10º ano


Formadora: Diana Tavares
Formanda: Mónica Silva


quinta-feira, 21 de maio de 2009

A acção humana é liberdade condicionada

A acção humana é liberdade condicionada

Que limites encontra o homem a sua acção?

O condicionamento da liberdade pela vida é, pois, triplo: condicionamento psicobiológico, “naturalização” da liberdade, pois esta não é a despedida da natureza, mas surge precisamente da natureza; condicionamento pela situação; agora já não esta nas minhas mãos dar a vida uma orientação perfeitamente possível a vinte anos. A situação concreta rouba-nos uma porção de possibilidades e impõe-nos um conjunto de deveres evidentes. Cada homem poderia ter sido muito diferente do que é, mas passou já a oportunidade para que tal acontecesse. E finalmente, em terceiro lugar, condicionamento pelo habitus. Os hábitos que contraímos restringem a nossa liberdade, impelem-nos para estes ou aqueles actos.
A natureza, o hábito e a situação reduzem de modo triplo a nossa liberdade actual, não podendo chegar a anulá-la. A liberdade está inscrita na natureza, mas em maior ou menor medida – nem todos os homens dispõem de igual força de vontade – transcende-a sempre. E é justamente neste ser “transnatural” que consiste ser homem.
As nossas decisões são sempre condicionadas. A existência destas condicionantes pode ser constata quando observamos a semelhança de certos comportamentos entre os seres humanos e algumas espécies de animais, ou quando comparamos os indivíduos de diferentes épocas, culturas, condições sociais, etc. As semelhanças e diferenças de comportamento que observamos são em grande medida explicáveis pelos factores que condicionam a acção dos indivíduos do mesmo grupo ou espécie.
Inúmeros factores de natureza biológica, histórica, social, cultural e outros que influenciam de forma mais ou menos evidente o nosso comportamento e as nossas decisões.


Condicionantes Orgânicas
O corpo situa o homem na natureza como um ser fisico-biológico, sofrendo em virtude deste facto todo o tipo de influências físicas.
Toda a acção humana é, em geral, condicionada pelos mecanismos fisiológicos do nosso sistema nervoso, glandular, etc. O nosso organismo fornece-nos a energia psicossomática necessária para agirmos, mas também determina a forma como agimos e reagimos aos estímulos do mundo exterior. Estes determinismos biológicos embora não controlem totalmente o comportamento humano, não deixam de impor certas predisposições para a acção, nomeadamente quando se trata de acções decorrentes de motivações básicas: sobrevivência, auto-conservação, procura do prazer ou a fuga à dor.

Condicionantes Culturais
Quando comparamos os seres humanos com os outros seres, aquilo que desde logo se destaca é a sua enorme capacidade de adaptação às mais diversas situações, seja modificando o comportamento, seja alterando o próprio meio. Nesta adaptação a enorme capacidade de aprendizagem humana desempenha em todo o processo uma função essencial.
É característico da natureza humana a sua capacidade de integração às mais variadas sociedades e grupos sociais, onde adopta desde nascença as suas normas, valores e comportamentos específicos. É por esta forma que os seres humanos se diferenciam entre si, condicionados pelos padrões culturais que encontram quando nascem.

Determinismos e Liberdade
Baseados na existência de uma enorme multiplicidade de factores condicionantes da acção humana, alguns filósofos negaram a existência da liberdade humana. As As nossas acções são sempre determinadas por causas que nos transcendem e sobre as quais não temos qualquer poder. A liberdade é pois uma ilusão. Não sou eu que escolho, mas um conjunto de circunstâncias que escolhem por mim.
Apesar de reconhecermos todas estas influências, temos igualmente que admitir que o homem possui sempre alguma margem de liberdade nas suas acções. Não podemos pois falar de actos mecânicos de resposta a estímulos, mas de acções livres. As suas decisões implicam quase sempre escolhas entre uma multiplicidade de opções possíveis.
As nossas decisões são pois indissociáveis da nossa liberdade, assim como da responsabilidade moral ou jurídica das suas consequências.
Professora: Diana Tavares
Aluna: Andreia Almeida

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Embora doa

é a duvida que resta,
que me leva a perguntar...
qual papel será o meu?
o de quem nada faz?

embora doa, nada fiz para mudar.
embora doa, nada vai mudar.

e revemos nas imagens que não passa de um esboço...
escolhem os senhores da guerra os motivos a seu
gosto...

embora doa, nada fiz para mudar.
embora doa, nada vai mudar.

porque nada surpreende.
já vivemos com o medo.
quem nos chama á razão?
ao som de armas adormeço...

embora doa, não me faz perder o sono.
embora doa...

escorre sangue pelo ombro em directo na tv
explode a carne em mãos de quem nada fez

embora doa, não me sujo desse sangue
embora doa, há sempre outro canal
embora doa...
embora doa, não me sujo desse sangue
embora doa, há sempre outro canal.

é a duvida que resta que me leva a perguntar...


Asssinado:
Sara
Andreia
Mariana

domingo, 17 de maio de 2009

LIBERDADE

LIBERDADE - O homem é livre de escolher as suas acções. Liberdade implica não apenas sabermos distinguir o bem do mal, o justo do injusto, mas sobretudo de agir em função de valores que nós próprios escolhemos. Deste modo, só se pode falar do Homem como ser moral pela referência à liberdade.
" (...) quando te falo de liberdade é a isto que me refiro. ao que nos diferencia dar térmitas e das marés, de tudo o que se move de modo necessário e irremediável. é verdade que não podemos fazer tudo o que quisermos, mas também é certo que não estamos obrigados a querer fazer uma coisa só. E aqui convém introduzir dois esclarecimentos a propósito da liberdade:
Primeiro: não somos livres de escolher o que nos acontece (ter nascido certo dia, de certos pais, em tal pais, sofrer de um cancro ou ser atropelados por um carro, ser bonitos ou feios, que os Aqueus queiram conquistar a nossa cidade, etc.), mas somos livres de responder desta maneira ou daquela ao que nos acontece (obedecer ou revoltar-nos, ser prudentes ou temerários, vingativos ou resignados, vestir-nos de acordo com a moda ou disfarçar-nos de urso das cavernas, defender Tróia ou fugir, etc.).
Segundo: sermos livres de tentar alguma coisa nada tem a ver com a sua obtenção indefectível A liberdade ( que consiste em escolher dentro do possível) não é a mesma coisa que a omnipotência ( que seria alguém conseguir sempre aquilo que quer, ainda que tal pareça impossível). Por isso, quanto maior capacidade de acção tenhamos, melhores resultados poderemos obter da nossa liberdade. Sou livre de querer subir ao monte Evereste, mas, dado o meu lamentável estado físico e a minha preparação nula em alpinismo, é praticamente impossível que consiga o meu objectivo. Em contrapartida, sou livre de ler ou não ler, mas como aprendi a ler desde muito pequeno não se trata de coisa demasiado difícil para mim, caso decida fazê-la. Há coisas que dependem da minha vontade (e isso é ser livre), mas nem tudo depende da minha vontade ( caso contrário, seria omnipotente), porque o mundo há muitas outras vontades e muitas outras necessidades, que eu não controlo a meu talente. Se não me conhecer nem a mim próprio nem ao mundo em que vivo, a minha liberdade esbarrará uma e outra vez na necessidade. Mas aspecto importante, nem por isso deixarei de ser livre... ainda que caia."
F. Savater; Ética para um jovem, Editorial Presença, Lisboa, 8ª ed., 2001, pp. 26-27
RESPONSABILIDADE - O ser Humano é responsável pelas suas decisões e pelas consequências das mesmas. A responsabilidade implica, em sentido global, sermos responsáveis por nós próprio, mas também pelas outras pessoas.
Trabalho realizado por: Marisa

Olá meninas :)

Espero que o vosso fim-de-semana esteja a ser bom.
As nossa actividades desta semana correram mesmo bem. Como diz a nina estávamos com um pouco de medo do paddy papper com as crianças mas correu mesmo bem, elas portaram-se muito bem.
E na feira das profissões também estivemos muito bem, as pessoas gostaram muita das pinturas faciais e da modelagem de balões. Foi pena o senhor que nos vinha dar formação em animação de rua não ter aparecido porque seria mas uma grande oportunidade para aprender outras coisas. Mas não faz mal, mesmo assim a feira correu muito bem, pois somos as maiores.
Bjs para todas ADORO-VOS
Ass: Mónica

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Fernando Pessoa

LIBERDADE
Ai que prazer
não cumprir um dever.
Ter um livro para ler
e não o fazer!
Ler é maçada,
estudar é nada.
O sol doira sem literatura.
O rio corre bem ou mal,
sem edição original.
E a brisa, essa, de tão naturalmente matinal
como tem tempo, não tem pressa...

Livros são papéis pintados com tinta.
Estudar é uma coisa em que está indistinta
A distinção entre nada e coisa nenhuma.

Quanto melhor é quando há bruma.
Esperar por D. Sebastião,
Quer venha ou não!

Grande é a poesia, a bondade e as danças...
Mas o melhor do mundo são as crianças,
Flores, música, o luar, e o sol que peca
Só quando, em vez de criar, seca.

E mais do que isto
É Jesus Cristo,
Que não sabia nada de finanças,
Nem consta que tivesse biblioteca...
Fernando Pessoa
Analise do poema “Liberdade”

"Datado de 16/3/1935, o poema "Liberdade" é um dos poemas mais conhecidos e citados de Fernando Pessoa. É um poema ortónimo, ou seja, escrito por Fernando Pessoa em seu próprio nome e aborda um tema raras vezes abordado pelo poeta de modo tão explicito: a liberdade humana.
À primeira vista trata-se de uma abordagem leve e divertida ao tema. Essa é claramente a sensação que se tem ao ler o poema. "Ai que prazer / Não cumprir um dever" - uma leveza simples e recta, que fala de como é bom não ter deveres, ou tê-los e não os cumprir, numa rebeldia com que sonham todas as crianças.
Mas em Pessoa nada é simples, muito menos recto...
Há uma chave para desvendar este poema "Liberdade". Um poema eu considero ser de uma intensa ironia. Mas essa chave curiosamente não está no poema, mas apenas referenciada nele de modo indirecto. É uma pista que Pessoa lança ao leitor, mas apenas ao leitor mais interessado - um leitor de segundo nível, que ignora o tom superficial leve das palavras e se interessa pelo conteúdo escondido das intenções.
Que pista é esta? Está numa citação que Pessoa nunca colocou, mas que devia vir logo a seguir ao título. No manuscrito original Pessoa escreve debaixo do titulo do poema: "(Falta uma citação de Séneca)".
Que citação é esta? E quem era Séneca?
Séneca foi um filósofo do Séc. I, um estóico preocupado com a ética. Não nos alongaremos com a análise da vida deste filósofica, mas citaremos dois principios dele que nos interessam para a compreensão do poema "Liberdade". Dizia Séneca que o cumprimento do dever era um serviço à humanidade. Para ele o destino estava predestinado, o homem pode apenas aceitá-lo ou rejeitá-lo, mas apenas a aceitação lhe pode trazer a liberdade. Eis o estoicismo na sua essência.
Eis o filtro que se deverá usar na leitura do poema "Liberdade": o estoicismo de Séneca.
Tudo o que antes parecia ligeiro, agora é intensamente irónico. Fernando Pessoa pensa o contrário do que diz o seu poema. Se ele diz que bom é não cumprir um dever, ele pensa o contrário, que o dever é essencial para a liberdade, se o homem quiser ser livre, terá de se submeter ao cumprimento do dever que lhe é imposto.
Outra achega: a semelhança entre a ironia utilizada e a escrita que se assemelha à de Caeiro. É Caeiro o heterónimo que renega igualmente o dever e o heterónimo que domina Pessoa no inicio das suas decisões, que o prende à realidade e lhe permite ascender aos astros. Será Pessoa aqui também um critico de si próprio e um critíco de Caeiro? Não poderemos dizer ao certo, mas parece-nos que sim, que as palavras de Pessoa são irónicas e dirigidas a Caeiro, ao seu próprio sonho de juventude, em que pensou ser possível ser livre das ideias.
Afinal este poema é um ensaio de revolta contra o que Caeiro disse, contra os próprios projectos falhados de Pessoa. Ele que queria atingir a liberdade libertando-se de tudo, da civilização, dos deveres, dos livros, ser apenas criança... O titulo - Liberdade - é apenas uma ironia triste e amarga e um contra-senso propositado. Arde em Fernando Pessoa a derrota da sua aventura, perto que está da morte quando escreve este poema. Este poema é de certo modo o epitáfio intelectual de Caeiro - o Mestre, por parte de Fernando Pessoa - o Criador.
Ps: há quem adivinhe neste poema de Pessoa também uma crítica social implicita, sobretudo nos versos: "Flores, música, o luar, e o sol que peca / Só quando, em vez de criar, seca." e na referência às finanças, que encobriria um ataque a Salazar, que foi, como se sabe, Ministro das Finanças entre 1928 e 1932".

olá meninas


Olá meninas...


Podemos dizer que somos as maiores!!! lool

A actividade correu mesmo bem, pensei que iria ser muitos mais difícil controlar aquelas "pestinhas", mas eles eram uns amores. Numa actividade tivemos oportunidade de demonstrar do que éramos capazes... por vezes dizem que não somos capazes, mas hoje mostramos que somos capazes de fazer actividades com imaginação e engraçadas.

Ah não se esqueçam e amanhã temos mais uma aventura, aprender a cuspir fogo e não só... bem tem sido actividades atrás de actividades, mas nós conseguimos controlar tudo, se formos bem organizadas e unidas....



A sala 1 sem mesas é que é espectacular... só mesmo nós é que somos capazes de estudar assim!!! lool



Hoje parei para pensar e reflecti que falta-nos menos de 4 semanas para acabar as aulas, vamos ter que abandonar alguns professores que foram impecáveis connosco, uns vão para outras escolas e outras porque acabam as disciplinas... acho que vai ser só lágrimas na ultima semana... contudo isto também vai começa os estágios... lá vamos nós ficar separadas por algumas semanas, e de seguida vem as férias grandes!!! Vão voltar novamente as saudades, mas em Setembro cá estaremos nós para enfrentar novas actividades, projectos, entre outras!!!


Beijinho grande





quinta-feira, 30 de abril de 2009

Quem sou eu....


Quem sou eu?

Cada vez mais me convenço de que a resposta à pergunta "Quem sou eu?" está na base das respostas a toda e qualquer outra pergunta fundamental. E se calhar é aquela que é mais ignorada. Porquê saber quem realmente somos custa? Se sabemos quem somos, sabemos o que é suposto fazermos com a nossa vida. Sabemos porque razão existimos. E deixamos de seguir as pressões da sociedade à nossa volta sobre o que devemos ou não fazer.
Há dias em que acordamos e sentimos que fazemos parte de alguma coisa, sentimos que existimos porque alguém precisa de nós, noutros é totalmente o inverso, questionamo-nos sobre a razão da nossa existência. Quando me olho ao espelho, todas as manhãs, o que é que vejo? Não sei… uma adolescente feliz… por vezes infeliz, outras vezes confusa e no final de contas… Quem sou eu realmente?
Eu sou alguém que quer ser feliz, que quer ver aqueles que mais ama felizes, eu sou aquela pessoa que sofre por não poder ser melhor, por não conseguir ser a pessoa que eu realmente gostaria de ser, alguém que é capaz de lutar pelos seus ideais, alguém que não tem medo das mais insignificantes coisas, alguém capaz de ser livre, sou aquela pessoa que sofre porque aqueles que amo também podem estar a sofrer.
Sou uma pessoa muito teimosa, mas apesar de ser persistente não tenho conseguido concretizar os meus maiores sonhos. Evito falar deles por vários motivos: porque me estão sempre a criticar em vez de me apoiarem, porque dizem que são sonhos de crianças, para eu crescer, entre vários outros que não mencionar.
Quem sou eu? Alguém em constante descoberta! Mas será que quero mesmo saber quem sou ou prefiro pensar na pessoa que gostaria de ser? E se a realidade não for o que eu espero? Perguntas e mais perguntas… porquê? Porque é que a vida não poderia ser mais simples?

“Sonhos são as respostas de hoje às perguntas de amanhã.” (Edgar Cayce).


Trabalho realizado por:
Andreia Almeida
Nº 1 11ºH

quinta-feira, 23 de abril de 2009

olá....



A montagem está muito gira....


Grupo fantástico isso é verdade somos mesmo um grupo fantástico....

beijitos para todas

ass:Lídia e Mariana

domingo, 19 de abril de 2009

olá meninas

Espero que gostem da montagem que fiz.
Este fim de semana deu-me para mudar algumas coisas no blog e no hi5 da turma.... quero comentários.
Beijão

Marisa

quinta-feira, 16 de abril de 2009

República federal

Uma república federal é um Estado que estruturalmente é simultaneamente uma federação e uma república.

Uma federação é um estado composto por determinado número de regiões com governo próprio (chamados de "Estados") e unidas sob um governo federal. Numa federação, ao contrário do que acontece num estado unitário, o direito de auto-governo de cada região autónoma está consignado constitucionalmente e não pode ser revogado por uma decisão unilateral do governo central.

Republica

Uma República (do latim Res publica, "coisa pública") é uma forma de governo na qual um representante, normalmente chamado presidente, é escolhido pelo povo para ser o chefe de país, podendo ou não acumular com o poder executivo. A forma de eleição é normalmente realizada por voto livre e secreto, em intervalos regulares, variando conforme o país. A origem da república está na Roma clássica, quando primeiro surgiram instituições como o Senado.

Republica Presidencialista

República presidencialista ou presidencialismo - Nesta forma de governo o presidente, escolhido pelo voto para um mandato regular, acumula as funções de Chefe de Estado e chefe de governo. Nesse sistema, para levar a cabo seu plano de governo, o presidente deve ganhar com o Legislativo caso não possua maioria;

Republica Parlamentarista

República parlamentarista ou parlamentarismo - Neste caso o presidente apenas responde à chefia de Estado, estando a chefia de governo atribuída a um representante escolhido de forma indirecta pelo Legislativo, normalmente chamado "premiê", "primeiro-ministro" ou ainda "chanceler" (na Alemanha).

Monarquia Constitucional

Uma monarquia constitucional ou monarquia parlamentarista é um tipo de regime político que reconhece um monarca eleito ou hereditário como chefe do Estado, mas em que uma constituição (série de leis fundamentais) limita os poderes do monarca.

A chefia de Estado é exercida por um monarca; a chefia de Governo por um primeiro-ministro ou o presidente do Conselho de Ministros, a ele cabendo o verdadeiro encargo do Poder Executivo e a direcção das políticas interna e externa do país, além da administração civil e militar, de acordo com as leis e a Constituição nacionais. Existe, também, um Poder moderador chefiado pelo Monarca.

As monarquias constitucionais modernas obedecem frequentemente a um sistema de separação de poderes, e o monarca é o chefe (simbólico) do poder executivo.

Republica Unitária semipresidencialista.

Estado unitário é um Estado ou país que é governado constitucionalmente como uma unidade única, com uma legislação constitucionalmente criada. O poder político do governo em tais Estados pode ser transferido para níveis inferiores, como os das assembleias eleitas local ou regionalmente, governadores e prefeitos ("governo devolvido"), mas o governo central detém o direito principal de retomar tal delegação de poder.

O semipresidencialismo (também chamado de sistema híbrido de governo) é um sistema de governo no qual o chefe de governo (geralmente com o título de primeiro-ministro) e o chefe de Estado (geralmente com o título de presidente) compartilham em alguma medida o poder executivo, participando, ambos, do quotidiano da administração pública de um Estado. Difere do parlamentarismo por apresentar um chefe de Estado com prerrogativas que o tornam muito mais do que uma simples figura protocolar ou mediador político; difere, também, do presidencialismo por ter um chefe de governo com alguma medida de responsabilidade perante o legislativo.

Democracia Parlamentar

Democracia é um regime de governo onde o poder de tomar importantes decisões políticas está com os cidadãos (povo), directa ou indirectamente, por meio de representantes eleitos — forma mais usual. Uma democracia pode existir num sistema presidencialista ou parlamentarista, republicano ou monárquico.

Parlamento é a assembleia dos representantes eleitos pelos cidadãos nos regimes democráticos e exerce normalmente o poder legislativo.

Sistema parlamentar

O sistema parlamentarista ou parlamentarismo é um sistema de governo no qual o poder Executivo depende do apoio directo ou indirecto do parlamento para ser constituído e para governar. Este apoio costuma ser expresso por meio de um voto de confiança. Não há, neste sistema de governo, uma separação nítida entre os poderes Executivo e Legislativo, ao contrário do que ocorre no presidencialismo.

Professora: Diana tavares

aluna: Andreia Almeida

Relatório da visita de estudo a Serra da Freita



A visita realizou-se no dia 23 de Março de 2009, pelas 10:30h, com a saída da ESA.
Participaram na visita as turmas H, do 11º ano de Animação Sociocultural e o 10º ano de Banca e Seguros. Acompanharam a visita os professores de Área das Expressões (Plástica), de Animação, Área de Integração e de Sociologia. Iniciamos com uma visita a Senhora da Laje e de seguida para a frecha da Mizarela. Almoçamos no parque de merendas de Albergaria. Foi um momento de convívio e diversão. De seguida andamos a passear pela Serra.
No início da tarde visitamos o Parque Eólico da Freita. Terminando a visita nos Viveiros da Granja.
Este tipo de visita de estudo ajuda os alunos a aprender em contexto reais de aprendizagem, isto é, em contacto com as coisas.



Trabalho realizado por: Marisa Fernandes

Curso Profissional de Animador Sociocultura

terça-feira, 14 de abril de 2009

Marisa

Brigada pelo comentario.... sim passei o dia com as pessoas que mais amo menos com 1ª..... e tu deves saber a quem me refiro..... mais uma vez brigada por te lembrares de mim és uma amiga cinco estrelas de ouro.... ou seja a tua amizade deve ser preservada como algo muito valioso…. Quero que saibas que podes contar sempre comigo nos bons e maus momentos da tua vida…. Estarei sempre a teu lado…..

Assinado Andreia

quinta-feira, 9 de abril de 2009


Espero que tenhas passado o dia com as pessoas que mais amas neste mundo (Mãe e irmão)...
Felicidades.
Ass: Marisa

oi ninas

só falta 5 dias para estarmos todas juntas.........já tenho saudades das aulas, das nossas brincadeiras e de tudo.
Espero que tenham uma boa pascoa........e não comam muitos doces...
Agora quero desejar os muitos parabéns Andreia pelos 19 aninhos.Espero que passe este dia com as pessoas que mais ama, que este dia seja especial, cheio de surpresas e coisas boas pois tu mereces.Sei que nos últimos tempos não tenho sido boa amiga mas quero que saibas que apesar de tudo para mim és minha melhor amiga.Por isso nunca te esqueças disto.
bjs keridos e fofos
adoro-vos a todas
ass;Mariana

terça-feira, 7 de abril de 2009

oi ninas.....

Oi estou cheia de saudades vossas…. Não vejo a hora de estar em aulas…. Estou quase óptima depois de um recaída…. Mas claro não via ser uma simples pneumonia que me vai meter abaixo…. Quero ser forte… sinto-me forte…. E por vocês serei forte…. Adoro-vos a todas….. beijos e boa PÁSCOA…. OLHEM AS AMENDOAS….

Assinado: Andreia Almeida....

Eis a questão!!!


Perguntei a um sábio, a diferença que havia entre amor e amizade, ele me disse essa verdade...O Amor é mais sensível, a Amizade mais segura. O Amor nos dá asas, a Amizade o chão. No Amor há mais carinho, na Amizade compreensão. O Amor é plantado com carinho cultivado, a Amizade vem faceira, e com troca de alegria e tristeza, torna-se uma grande e querida companheira. Mas quando o Amor é sincero ele vem com um grande amigo, e quando a Amizade é concreta, ela é cheia de amor e carinho. Quando se tem um amigo ou uma grande paixão, ambos sentimentos coexistem dentro dos nossos corações.



Ass: Marisa

domingo, 5 de abril de 2009

ola nininhas

oh Lídia esses cãezinhos são o máximo.
Bem foi cruel da pessoas os terem abandonado, mas lembraram-se de os deixar perto d etua casa, porque sabiam que vocês tem um bom coração e iriam cuidar deles.É pena vocês term de os dar para ocanil, porque por vezes nos canis eles são mal tratados, mas se não há outra solução assim tem de ser. Fico contente por teres dado abrigo a esse animais lindos.
Bem as minhas férias estão a ser mais ou menos...
Desejo-vos a todas uma boa Páscoa... não vou dizer para não comerem chocolates, porque é impossivel. lool

Beijão

Ass: Marisa

oi meninas

oi td bem?
Espero que ferias estejam a correr bem......... Lídia tens razão a pessoa que deixou os cães a porta de tua casa não deve ter sentimentos para fazer tamanha crueldade.
Nesta semana que estou de ferias pensei muito e quero dizer a todas que vocês são para mim umas amigas especiais mesmo que as vezes diga o contrario.
Pois vocês ajudam-me quando eu preciso , dão-me na cabeça quando estou errada , mesmo assim não sou correcta com vocês e quero-vos pedir desculpa por as vezes ser assim..
Quero também dizer que as saudades de vocês nestas férias tem sido muitas..... e tudo que eu vos disse foi com maior sinceridade .....
bjssssss queridos e fofos
adoro-vos
ass:Mariana silva

olá ninas....




Estas são as 8 coisas fofas que deixaram abamdonadas ao pé de minha casa, mas agora só estão 6 …. Custa a acreditar mas é verdade, no último domingo a noite deixarem estes 8 cães ao pé de minha casa eram 4 cães e 4 cadelas todos eles muito fofos.
As pessoas cada vez mais deixam-me triste pois era escusado terem deixado estes animais abandonados…. Vai custar ter de os deixar ir mas não posso ficar com eles todos…. A pessoas boas que quando eu falei dos cães disseram logo que queriam um….mas as cadelinhas vão ser entregues ao canil já que não posso ficar com elas…E giro ver quando nos vamos ao pé deles e eles vim logo brincar connosco…eles são fofos…

bjnhs para todas


ass: Lídia

sábado, 4 de abril de 2009

Olá ninas c(:

Então como estão a correr as vossas férias???
Concordo com a Lídia já estou cheia de saudades vossas c(:
Desejo.vos uma Boa Páscoa :)
Bjs para todas e continuação de boas férias :P

ASS: Mónica

quarta-feira, 1 de abril de 2009

olá ninas...
ainda só passaram 3 dias de férias e já tenho saudades vossas... das nossas brincadeiras, das piadas da diana e da emilia...enfim meninas se já nos custa estar longe duas semanas imaginem as férias de verão....aqui não se faz nada e isso faz com que os dias se tornem uma seca....


boas férias e um boa Páscoa não abusem nas amêndoas nem nos ovos de chocolate....


adoro-vos ninas..... estaram sempre no meu coração



ass:Lídia

segunda-feira, 30 de março de 2009

pascoa

oiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii meninas
passei para vos desejar uma santa e feliz Pascoa............ Não abusem muito nos doces.......................loooooooooooollll
bjs boas ferias e descasem muito.................................adoro-vos a todas........................

ass:Mary Silva

sexta-feira, 27 de março de 2009

olá mininas

As aulas terminaram, as férias começaram e as saudades apertam. Ainda só passaram 2horas que nos separamos e eu já estou a morrer de saudades vossas.
vocês já me completam...e agora cada vez mais, pois estamos numa face mesmo boa.

Beijinho para todas e uma boas férias!

Ass. Marisa

domingo, 22 de março de 2009

Olá c(:

Olá ninas :D
Queria desejar as melhoras à Andreia, e dizer para ela se por boa rápido porque já estão a fazer falta as piadas tolas dela.

AS MELHORAS ANDREIA, estou aqui para te apoiar no que for preciso.
Bjs e volta rápido

Ass: Mónica

quinta-feira, 12 de março de 2009

E entao qual o mal? Marisa?
assim aproveitas e treinas a tua leitura.... lol

Andreia.... digam algo da musica....
Solo un vampiro puede amarte para siempre......

Só um vampiro pode AMAR-TE para sempre.....


http://www.youtube.com/watch?v=JhJ9XlgYAxw


Professora: Diana Tavares
Publicado Por: Andreia Almeida

A musia que mais me toca de Crepusculo

Apixonante.......

http://www.youtube.com/watch?v=JhJ9XlgYAxw



Professora: Diana Tavares
Publicado Por: Andreia Almeida

Livro

olá Andreia,

Olha como é que se pode ler o livro com a pessoa que amamos???
Queres que se leia o livro em voz alta? :)

Beijinho.

Ps: cuidado com os erros :P

Assinado: Marisa

quarta-feira, 11 de março de 2009

http://www.youtube.com/watch?v=ZHTl08zxzh4&eurl=http://www.oyo.com.br/livros/romance/crepusculo-twilight/&feature=player_embedded

Livro e filme absolutamente irresistíveis... Crepusculo.... uma história de amor entre uma humana e um vampiro..... leiam o livro e assistam ao filme com a pessoa que mais amem.... é fascinante...


Publicado por: Andreia Almeida

Professora: Diana Tavares

Publicado por: Andreia Almeida

Dia Mundial do consumidor


Dia Mundial do consumidor


O que é o Consumidor?

Consumidor é todo aquele que adquire bens ou serviços ou direitos sobre eles, destinados a
ser usados de forma profissional e que são adquiridos a alguém que se dedique à comercialização desses bens não ou serviços de forma profissional (no 1, do artigo 2, Lei nº 24/96, de 31
de Julho - Lei de Defesa do Consumidor).


Um Consumidor Consciente deve:

· Ler os rótulos, as etiquetas e as instruções dos produtos
· Nunca assinar nenhum documento sem o ler previamente
· Antes da compra, comparar os preços e a qualidade dos
bens e serviços oferecidos
· Se sentir lesado, reclamar junto das entidades competentes


São direitos do consumidor:

1 - Protecção à vida e à saúde;

2 - Educação para o consumo;

3 - Escolha de produtos e serviços;

4 - Informação;

5 - Protecção contra publicidade enganosa e abusiva;

6 - Protecção contratual;

7 - Indemnização;

8 - Acesso à justiça;

9 - Facilitação de defesa de seus direitos;

10 - Qualidade dos serviços públicos.


Deveres do Consumidor


Consciência Crítica: questionar o preço e a qualidade de produtos e serviços.

Preocupação Social: estar ciente das consequências de nosso consumo sobre os outros cidadãos.

Reclamação: mais que um direito, é um dever de consciência.

Solidariedade: organizar-se em conjunto, para a promoção e protecção dos interesses dos consumidores.

Pesquisa: pesquisar sempre antes de comprar.

Consciência do Meio Ambiente: preservar, conservar, proteger nossos recursos naturais.Boicote: a comerciantes desonestos e inescrupulosos.

Honestidade: falar sempre a verdade ao reclamar junto aos órgãos de Defesa do Consumidor.




Trabalho realizado por:

Carina


Marisa

Sara